Skip to main content
Original para a Internet

Cura rápida de grave lesão no pé

Da edição de janeiro de 2018 dO Arauto da Ciência Cristã

Publicado anteriormente como um original para a Internet em 7 de novembro de 2017.


No ano passado, meu marido e eu estávamos em férias em um resort nas Montanhas Drakensberg, na África do Sul. Fazia tempo que eu desejava praticar a tirolesa, por cima da copa das árvores na região, mas meu marido, assim como minha filha, genro e netos, que estavam conosco, não quiseram se juntar a mim. Por fim, quando minha filha e família voltaram para Johannesburgo, eu decidi seguir em frente por conta própria, contrariando meu marido.

Fiquei com uma jovem mãe e seus três filhos pequenos. O percurso consistia de doze tirolesas, sendo que a quarta era a segunda mais longa e mais alta da região sul da África. Nessa, a jovem família foi na frente. Depois, foi a minha vez, mas era como se minhas mãos estivessem congeladas, segurando a roldana. Eu não conseguia soltar a mão direita para segurar o cabo e diminuir a velocidade, como fora instruída a fazer. Eu fui com muita velocidade em direção à plataforma, onde a jovem família estava esperando, e meu medo era cair em cima deles. Fiz, automaticamente, aquilo que nos haviam alertado para não fazer, em hipótese alguma, que era baixar o pé direito para reduzir a velocidade absurda com que eu estava chegando.

Isso não deu certo e meu pé bateu com tamanha força em uma escada de aço na plataforma, que senti o pé virar para trás com um estalo. A dor foi excruciante e parecia que eu ia desmaiar. Mas comecei a orar com toda a força que consegui reunir. 

Sendo Cientista Cristã durante toda a vida, eu conhecia bem a seguinte declaração da verdade na página 424 do livro-texto da Ciência Cristã: “Os acidentes são desconhecidos para Deus, a Mente imortal, e temos de deixar a base mortal da crença e unir-nos à Mente única, a fim de substituir a noção de acaso pelo senso apropriado da infalível direção de Deus, e assim trazer à luz a harmonia” (Mary Baker Eddy, Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras). Lembrei-me imediatamente desse trecho, que me ajudou a declarar veementemente que nunca houve um momento em que Deus não estivesse no controle absoluto e que Ele estava bem ali, dando-me todo o suporte por ser Sua filha amada.

Também refleti que a alegria e o senso de liberdade que havia sentido, enquanto deslizava na tirolesa, eram a expressão de Deus, a Vida divina, e, como sou reflexo da Vida, nada poderia tirar de mim essa alegria e essa liberdade. Pensei, também, que o pé representa utilidade e movimento necessário, os quais são qualidades permanentes da Vida, que não pode ser prejudicada de forma alguma. 

Em seguida, pude dizer aos guias que seguissem em frente com a jovem família, e que eu estava apta a completar as oito tirolesas que faltavam, pois não havia como sair daquele desfiladeiro, senão completando todas as tirolesas do trajeto. Eu não tinha escolha, a não ser continuar pelo restante do percurso. Foi o que fiz, todo o caminho cantando mentalmente o Hino 139 do Hinário da Ciência Cristã, que faz referência a Deus como o Amor sempre presente. Ele começa assim: 

Com o Amor seguindo vou; 
Que santo dia é hoje, sim! 
Não sinto mais cruel temor, 
Pois Deus está bem junto a mim. 
Em meu viver feliz eu sou; 
Com o Amor, eu hoje estou.
(Minny M. H. Ayers, adaptação © CSBD)

Outro desafio que esperava por mim era uma subida vertical de vinte minutos, depois da última tirolesa, até o topo do desfiladeiro, onde havia um veículo esperando para levar-nos de volta à agência de turismo. Os guias gentilmente levaram os equipamentos pesados que eu utilizara e, mais uma vez, orei “sem cessar” (ver 1 Tessalonicenses 5:17) durante todo o trajeto até o cume.

Meu marido me esperava, de carro, no escritório da agência e, somente quando tentei tirar o tênis é que percebemos a gravidade da lesão. Vendo a necessidade de tratamento pela Ciência Cristã, entrei em contato com um Praticista da Ciência Cristã que, amorosamente, orou por mim até que eu conseguisse realmente ficar em pé sozinha. Sou muito grata ao meu marido por cuidar de mim durante os últimos dias nas montanhas. Quando viemos embora, na sexta-feira, consegui revezar na direção durante as quatro horas e meia de viagem.

Mesmo assim, meu marido achava que, caso não houvesse melhora até a segunda-feira seguinte, ele me levaria ao hospital para fazer uma radiografia, pois estava convencido de que meu tornozelo estava fraturado.

Mas nos dias seguintes, houve um progresso maravilhoso sem que amigos e a família percebessem algum problema. Meu marido nunca mais falou em radiografias. Duas afirmações em Ciência e Saúde me ajudaram muito em afirmar que Deus me fez (como também toda Sua criação) perfeita e completa, e que nada poderia alterar esse estado espiritual do meu existir. Foram estas as afirmações: “A Ciência divina do homem é tecida em uma só peça consistente, sem costura nem rasgão” p. 242) e “O Princípio não pode ser encontrado em ideias fragmentárias” (p. 302).

Um dos resultados da oração foi a percepção de que eu tinha de ficar alerta para não dizer mais que isso ou aquilo (nesse caso a tirolesa) estão na minha lista de coisas a fazer antes de morrer. Embora seja comum dizermos isso, não é tão inocente quanto parece, visto que se baseia na crença errônea de que somos mortais, sujeitos ao acaso ou a acidentes — e à morte — quando, de fato, somos ideias espirituais, mantidas eternamente em um estado perfeito por nosso amado Criador. Sempre afirmo essas verdades em minhas orações diárias.

Uma semana depois, já estava usando botas de salto alto, pois era inverno em nosso país e, pouco tempo depois, fiz três caminhadas em um total de quase 20 km, sem sentir nenhum desconforto. Sou profundamente grata por essa maravilhosa cura mas, o mais importante, sou muito grata pelo progresso espiritual que ela me propiciou.

Agradeço a Deus, a Cristo Jesus — aquele que nos mostrou o Caminho — e a Mary Baker Eddy, por compartilhar a descoberta da Ciência Cristã com a humanidade.

Brenda Dry
Johannesburgo, África do Sul

Publicado anteriormente como um original para a Internet em 7 de novembro de 2017.

TENHA ACESSO A MAIS ARTIGOS TÃO BONS COMO ESTE!

Bem-vindo ao Arauto-Online, o portal dO Arauto da Ciência Cristã. Esperamos que tenha gostado deste artigo que foi partilhado com você.

Para ter acesso total aos Arautos, ative sua conta usando seu número de assinante do Arauto impresso, ou assine JSH-Online ainda hoje!

More in this issue / janeiro de 2018

A Missão dO Arauto

Quando Mary Baker Eddy estabeleceu o Arauto em 1903, ela disse que sua missão era a de "anunciar a atividade e a disponibilidade universal da Verdade" (The First Church of Christ, Scientist, and Miscellany, p. 353).

O Arauto registra, em suas páginas, a transformação que ocorre na vida de muita gente e mostra que cada um de nós pode chegar à Verdade.

Que alegria pensar que o efeito da Verdade atua na consciência humana, trazendo cura e renovação! Nosso Mestre, Cristo Jesus, nos prometeu algo que de fato está se cumprindo: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8:32).

Cyril Rakhmanoff, O Arauto da Ciência Cristã, edição de julho de 1998
Conheça melhor O Arauto e sua missão.