Skip to main content
Web Original

A liberdade e as capacidades ilimitadas da mulher

From the março de 2018 issue of The Herald of Christian Science

Publicado anteriormente como um original para a Internet em 2 de janeiro de 2018.


Assisti recentemente a um filme da BBC sobre as irmãs Brontë: Charlotte, Emily e Anne, que eram inteligentes e criativas e escreviam livros, como forma de exercer seus talentos e também ganhar a vida. Lembrando, Charlotte escreveu Jane Eyre e Emily escreveu O Morro dos Ventos Uivantes. No entanto, devido ao ambiente social na Grã-Bretanha do século XIX, elas se sentiram compelidas a publicar seus romances sob pseudônimos masculinos. 

Essas mulheres foram contemporâneas de Mary Baker Eddy. Embora elas vivessem do outro lado do oceano, as circunstâncias nos aspectos sociais, políticos e legais eram semelhantes. A Sra. Eddy enfrentou a mesma cultura de oportunidades limitadas para as mulheres, que não podiam ter propriedades, votar, ou exercer o pátrio poder sobre os próprios filhos. Às mulheres era atribuída uma capacidade intelectual muito limitada e havia o receio de que, se o intelecto de uma mulher fosse colocado à prova, ela sofreria um colapso mental. Durante séculos, as mulheres foram consideradas testemunhas pouco confiáveis nos tribunais. 

Esses problemas e preconceitos já foram superados na maioria dos países, mas eles eram brutalmente restritivos no século XIX. Apesar disso, a Sra. Eddy foi poderosamente inspirada a dar a conhecer a revelação da Ciência Cristã que ela recebera de Deus, através dos ensinamentos da Bíblia e de Cristo Jesus. Aliás, ela considerava ser responsabilidade sua compartilhar essa interpretação espiritual das Escrituras, a qual tem abençoado muitas pessoas em todo o mundo há mais de um século e meio, conforme documentado por milhares de artigos e testemunhos de cura publicados nos periódicos da Ciência Cristã. 

A Sra. Eddy não se considerava menos inteligente do que um homem, porque ela sabia que Deus era a fonte de sua inspiração. Ela compreendia integralmente a verdade contida na declaração de Paulo, em Filipenses 2:13: “...Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”.

Embora as circunstâncias para as mulheres tenham melhorado muito desde o século XIX, ainda existem pressões sociais que desestimulam as mulheres a assumirem papéis de liderança ou até mesmo a expressarem seu ponto de vista sobre negócios, política, religião, e outros campos tradicionalmente dominados por homens. Mesmo hoje, a mídia e algumas pessoas em posições proeminentes nos transmitem a mensagem de que o valor da mulher se baseia mais em sua juventude e atratividade física do que em seu intelecto e realizações.  

Compreendi quão errado seria passar a vida sem reconhecer as curas que eu havia vivenciado por meio da confiança na Ciência Cristã.

Em minha própria experiência, tendo crescido em meio à expectativa de que as mulheres escutassem mais e falassem pouco, precisei superar uma persistente insegurança que tornava quase impossível compartilhar com outras pessoas meu amor a Deus. Eu me sentia inferior e duvidava que as pessoas realmente desejassem ouvir o que eu tinha a dizer, portanto, relutava em falar sobre meus pensamentos mais profundos sobre o assunto mais importante para mim: a Ciência Cristã. Mas o desejo crescente de abençoar outras pessoas me motivou a superar essa sufocante percepção equivocada sobre minha capacidade.

Gradualmente, à medida que afirmava em oração minha identidade espiritual verdadeira como a reflexão, o reflexo, de Deus, o senso mortal, limitado, a respeito de mim mesma, deu lugar à compreensão de minha plenitude e propósito divino. Compreendi quão errado seria passar a vida sem reconhecer as curas que eu havia vivenciado por meio da confiança na Ciência Cristã. 

O desejo de honrar a Deus, como a Bíblia nos orienta: “Engrandecei o Senhor...” (Salmos 34:3), mudou meu enfoque, mudou de um falso senso de identidade como mortal definida pelo gênero e classe social, para um senso de Deus como a fonte irrestrita de toda comunicação. Ao orar para expressar os pensamentos vindos de Deus, encontrei grande estímulo nesta declaração da Sra. Eddy: “O homem é a imagem e semelhança de Deus; tudo o que é possível a Deus, é possível ao homem como reflexo de Deus. Por meio da transparência da Ciência, aprendemos isto, e o recebemos: aprendemos que o homem pode cumprir as Escrituras em todas as circunstâncias; que, se ele abrir a boca, receberá as palavras que tem de dizer — não por ter aprendido nas escolas, nem por erudição, mas pela capacidade natural de expressar a Verdade, capacidade a ele já conferida por reflexo” (Miscellaneous Writings [Escritos Diversos] 1883–1896, p. 183). 

Essa ideia me proporcionou a confiança necessária para começar a compartilhar livremente minhas curas durante as reuniões de testemunhos das quartas-feiras, na minha filial da Igreja de Cristo, Cientista. Comecei também a escrever para os periódicos da Ciência Cristã, uma das atividades mais gratificantes da minha vida. 

O versículo 17 do Salmo 94 descreve minha gratidão a Deus por essa recém-encontrada liberdade: “Se não fora o auxílio do Senhor, já a minha alma estaria na região do silêncio”. O medo e a apatia provenientes de um senso de vida mortal, limitado, ou seja, uma vida separada de Deus, não pode silenciar o espírito do Cristo em nós, uma vez compreendida a verdade sobre nossa união com o Amor divino. Como está escrito em 1 João: “O perfeito amor lança fora o medo” (4:18). 

Ao assistir à história das irmãs Brontë, e principalmente refletindo sobre as inspiradas realizações da Sra. Eddy, contemporânea delas, fiquei grata pelos bons exemplos de real feminilidade que elas apresentaram, conduzindo sua vida de maneira honrada e a serviço dos outros. Cada uma à sua própria maneira superou limitações monumentais e elevou o pensamento da humanidade a respeito das capacidades ilimitadas da mulher e do papel extraordinariamente importante que ela desempenha em benefício da humanidade.

Sou muito grata por esses exemplos corajosos que me inspiraram a desafiar os temores que me paralisavam. Sei que o crescimento contínuo na compreensão da verdadeira identidade da mulher eliminará toda resistência que ainda possa permanecer. Conforme observou a Sra. Eddy em Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras: “Quando aprendemos que o erro não é real, ficamos preparados para o progresso, esquecendo-nos ‘das coisas que para trás ficam’ ” (p. 353).

TENHA ACESSO A MAIS ARTIGOS TÃO BONS COMO ESTE!

Bem-vindo ao Arauto-Online, o portal dO Arauto da Ciência Cristã. Esperamos que tenha gostado deste artigo que foi partilhado com você.

Para ter acesso total aos Arautos, ative sua conta usando seu número de assinante do Arauto impresso, ou assine JSH-Online ainda hoje!

More in this issue / março de 2018

A Missão dO Arauto

Quando Mary Baker Eddy estabeleceu o Arauto em 1903, ela disse que sua missão era a de "anunciar a atividade e a disponibilidade universal da Verdade" (The First Church of Christ, Scientist, and Miscellany, p. 353).

O Arauto registra, em suas páginas, a transformação que ocorre na vida de muita gente e mostra que cada um de nós pode chegar à Verdade.

Que alegria pensar que o efeito da Verdade atua na consciência humana, trazendo cura e renovação! Nosso Mestre, Cristo Jesus, nos prometeu algo que de fato está se cumprindo: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8:32).

Cyril Rakhmanoff, O Arauto da Ciência Cristã, edição de julho de 1998
Conheça melhor O Arauto e sua missão.