Skip to main content
Original para a Internet

Para jovens

Como eu realmente sou

Da edição de maio de 2018 dO Arauto da Ciência Cristã


Quando eu estava na sexta série, queria muito jogar futebol, mas não sabia como poderia fazê-lo. Durante grande parte da minha infância não pude praticar esportes devido a um problema físico. Embora meus pais em determinado momento tenham me levado ao médico, não havia uma solução médica garantida. Portanto, minha família optou por persistir com a ajuda de um Praticista da Ciência Cristã. Cresci acostumado a pensar nesse problema físico como “meu problema” e era assim que eu geralmente me referia a ele.

Então, quando tive a ideia de jogar futebol, fiquei surpreso com o pensamento silencioso que me veio: se tudo o que eu estava aprendendo na Ciência Cristã era verdade, por que eu não conseguiria jogar? Não tinha de ser um processo de esforço humano, pelo contrário, podia ser o efeito belo e natural da Verdade, revelando o que era verdadeiro sobre o meu existir, completo e livre. Com o apoio dos meus pais e dos professores, comecei a praticar esportes pela primeira vez na minha vida. Também fiz um esforço constante para deixar de identificar esse desafio como um problema pessoal e, assim, passei a identificar a mim mesmo como ilimitado e espiritual. Depois de um ano e meio, eu já não tinha esse problema.

Algum tempo depois, quando entrei na faculdade, meu treinador percebeu que eu não realizava os exercícios como deveria, eu não sabia nem sequer pular corda. Ele me disse que ouvira falar da minha cura e incentivou-me a pensar que eu havia me libertado não só do problema, como também estava livre do rótulo de estar atrasado no atletismo. Isso aconteceu em uma sexta-feira e, na segunda, após orar sobre esse senso espiritual mais completo de identidade, consegui pular corda perfeitamente, consegui, até mesmo, dar saltos duplos. Minha atuação como atleta progrediu normalmente daquele momento em diante.

No estudo da Ciência Cristã, deparei-me com esta maravilhosa afirmação de Mary Baker Eddy, que me soou como uma ótima descrição do que acontecera: “Temos de olhar para onde queremos caminhar, e temos de agir como possuidores de todo o poder dAquele em quem existimos” (Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, p. 264). Eu deixei de me identificar como uma pessoa limitada e doente, e passei a caminhar com a convicção de que a verdade sobre o que Deus sabia a meu respeito, como uma pessoa ilimitada e perfeita, valia mais do que qualquer outro testemunho sobre a minha identidade. E isso me trouxe a liberdade.

TENHA ACESSO A MAIS ARTIGOS TÃO BONS COMO ESTE!

Bem-vindo ao Arauto-Online, o portal dO Arauto da Ciência Cristã. Esperamos que tenha gostado deste artigo que foi partilhado com você.

Para ter acesso total aos Arautos, ative sua conta usando seu número de assinante do Arauto impresso, ou assine JSH-Online ainda hoje!

More in this issue / maio de 2018

A Missão dO Arauto

Quando Mary Baker Eddy estabeleceu o Arauto em 1903, ela disse que sua missão era a de "anunciar a atividade e a disponibilidade universal da Verdade" (The First Church of Christ, Scientist, and Miscellany, p. 353).

O Arauto registra, em suas páginas, a transformação que ocorre na vida de muita gente e mostra que cada um de nós pode chegar à Verdade.

Que alegria pensar que o efeito da Verdade atua na consciência humana, trazendo cura e renovação! Nosso Mestre, Cristo Jesus, nos prometeu algo que de fato está se cumprindo: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8:32).

Cyril Rakhmanoff, O Arauto da Ciência Cristã, edição de julho de 1998
Conheça melhor O Arauto e sua missão.