Skip to main content
Original para a Internet

Como somos formados?

DO Arauto da Ciência Cristã . Publicado on-line – 16 de julho de 2019


Na Bíblia, em Isaías, referindo-se aos homens, Deus diz: “...os que criei para minha glória, e que formei, e fiz” (Isaías 43:7). Como é animador aprender que cada um de nós é criado e formado para a glória de Deus! 

Qual, exatamente, é a natureza de nossa gloriosa “forma”? Certamente ela não poderia ser vulnerável, limitada, nem física ou sujeita à deterioração. Não, a glória de Deus, que está presente no que Ele forma, tem de ser pura e vigorosamente boa e espiritual, pois Deus é todo o bem e é Espírito.

A Mente infinita, que é Deus, o Espírito divino, formou toda a criação de maneira espiritual, bela e muito precisa. Logo, podemos ser gratos pelo fato de que a Mente divina cria somente formas perfeitas e espirituais, ou seja, formas de beleza, inteligência, vigor, integridade etc. É na própria consciência de Deus, a consciência divina, que cada um de nós é moldado e preservado.

Embora o conceito humano de germinação, flor ou pessoas seja o de que todos eles têm formas materiais, a Ciência Cristã ensina que as criaturas de Deus não são formações físicas. O governo da Mente, de fato, assegura que as identidades da criação divina permanecem exclusivamente espirituais. Na página 62 de Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, Mary Baker Eddy nos ajuda a fazer a relação entre essa verdade e nossa condição atual, ao dizer: “A Mente divina, que forma o botão e a flor, cuidará do corpo humano, assim como veste os lírios; mas não interfira nenhum mortal no governo de Deus, introduzindo as leis dos falíveis conceitos humanos”.

Cada um de nós é, na verdade, uma ideia individual da Mente, formada mentalmente e com clareza aqui na Mente divina. É apenas um senso errôneo de existência o que nos vincularia à matéria. Somos formados espiritualmente, e é bom fazer com que a percepção que temos de nós mesmos progrida até à compreensão de que somos espirituais.

Não existem diferentes versões da criação. Só existe uma. Como emanação da Mente, cada um de nós tem a forma e a individualidade definida somente por Deus. Não somos formas físicas; somos criados sem defeito, delineados pelo próprio caráter de Deus, o Espírito. Refletimos a natureza de Deus, e somente a natureza de Deus, por sermos Sua imagem.

Sejamos gratos pelo fato de que nossa forma, divinamente concebida, jamais está em estado de “pré-perfeição”. A autoridade da Mente assegura que nossa forma e substância são inteiras e eternas. É tão inspirador constatar que a forma divina não está sujeita ao tempo ou à idade, ou seja, é mantida pela Mente e reside na Mente. “Na Ciência, a forma e a individualidade nunca se perdem, os pensamentos são ideias delineadas e individualizadas, que habitam para sempre na Mente divina como substância tangível e verdadeira, porque são eternamente conscientes” (Miscellaneous Writings [Escritos Diversos] 1883–1896, p. 103), explica Mary Baker Eddy. Não precisamos tentar adotar a forma de perfeitos filhos e filhas de Deus; em oração, precisamos compreender e perceber que já somos dotados dessa forma divina, ideal e gloriosa.

Uns amigos meus foram informados, quando a filhinha deles ainda estava no útero da mãe, de que havia um problema genético e de que a criança estava se formando de modo incorreto. Isso ocorreu no início da gravidez e eles imediatamente começaram a orar.

O livro Ciência e Saúde diz: “A consciência constrói um corpo melhor quando a fé na matéria é vencida. Corrige tu a crença material por meio da compreensão espiritual, e o Espírito te formará de novo” (p. 425). Ao orar, meus amigos não tiveram como foco ou objetivo formar esse novo acréscimo da família a partir de matéria melhorada, nem mesmo se fizeram uma imagem mental de matéria perfeita. O objetivo foi perceber que o autêntico senso de corpo é na verdade a identidade espiritual dada por Deus, formada e governada somente pela consciência que é a Mente divina. Meus amigos perceberam que a Mente é o único Progenitor de suas ideias. Quando a criança nasceu, não havia nenhuma deformidade, mas houve muitas lágrimas de alegria. Hoje ela é uma criança muito feliz e ativa.

Em oração, o desprendimento do ego que mentalmente abrange nossa forma e identidade espirituais, nos ajuda a compreender e amar a natureza infinita de Deus. Esse desprendimento do ego inclui se libertar inteiramente da noção de que tenhamos sequer um único aspecto material. Um corpo físico, sujeito à idade, não é o que somos. Nosso vigor e capacidades não existem no senso material do existir. Formados pelo Espírito, temos as capacidades inerentes às ideias de Deus. Toda habilidade e boa condição física residem no Espírito, sem limites de idade.

Essa maneira de orar, vinda do coração, pode revelar mais e mais, a cada dia, que somos a própria expressão de Deus. Somos a concepção da Mente e só a Mente delineia nossa identidade, e não existe nenhuma outra mente. É bom afirmar isso para si mesmo, com frequência. Os falsos conceitos sobre o corpo ou sobre a identidade, podem ser removidos de nosso pensamento por admitirmos que, como formas da Mente, somos desenvolvidos de maneira espiritual e unicamente pela bondade e natureza de Deus. Podemos nos regozijar abertamente porque, tal como diz o Hino nº 51, do Hinário da Ciência Cristã, somos gloriosa e exclusivamente definidos por Deus que: “Teu molde vem mostrar” (Mary Alice Dayton, trad. © CSBD).

Realmente, a gloriosa forma espiritual que nos foi dada é uma propriedade de valor inestimável. Podemos nos tornar receptivos para perceber a presença e a influência do Espírito que forma, não apenas nossos pensamentos, mas também nosso caráter e ações.

More web articles

A Missão dO Arauto

Quando Mary Baker Eddy estabeleceu o Arauto em 1903, ela disse que sua missão era a de "anunciar a atividade e a disponibilidade universal da Verdade" (The First Church of Christ, Scientist, and Miscellany, p. 353).

O Arauto registra, em suas páginas, a transformação que ocorre na vida de muita gente e mostra que cada um de nós pode chegar à Verdade.

Que alegria pensar que o efeito da Verdade atua na consciência humana, trazendo cura e renovação! Nosso Mestre, Cristo Jesus, nos prometeu algo que de fato está se cumprindo: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8:32).

Cyril Rakhmanoff, O Arauto da Ciência Cristã, edição de julho de 1998
Conheça melhor O Arauto e sua missão.