Skip to main content Skip to search Skip to header Skip to footer
Original para a Internet

Cura de doença de pele e retorno à harmonia na família

DO Arauto da Ciência Cristã. Publicado on-line – 15 de agosto de 2022


Há muitos anos, quando a Ciência Cristã me encontrou, eu era uma jovem mãe, cuidando sozinha de duas crianças pequenas e com um divórcio pendente. Na época, eu vinha há muito tempo lutando com uma persistente doença de pele na parte superior dos braços e do corpo, doença essa que eu tratava com a aplicação de pomadas e bandagens todas as noites, antes de dormir. Também usava medicamentos, mas com pouco ou nenhum resultado.

Uma noite, depois que as crianças estavam deitadas, eu fiquei sozinha, no escuro, sentindo muita pena de mim mesma. Foi então que, em desespero, clamei a Deus: “Não posso mais fazer isso sozinha. Por favor, mostre-me o que eu preciso fazer e saber”. Muito rapidamente veio uma resposta que pareceu encher toda a sala: “Médico, cura-te a ti mesmo”.

Eu não sabia, então, que essa passagem era da Bíblia (ver Lucas 4:23), mas raciocinei: “A única religião que conheço, que nos ensina a ser nosso próprio médico, é a Ciência Cristã”. Quando adolescente, eu havia frequentado ocasionalmente uma Escola Dominical da Ciência Cristã, enquanto minha mãe assistia ao culto na igreja, e eu havia vivenciado várias curas por meio da oração. Mas, ao longo dos anos, havia me afastado dos ensinamentos da Ciência Cristã.

 Agora, tal como uma pessoa sedenta no deserto, fui procurar meu exemplar de Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, de Mary Baker Eddy, que estava guardado em um armário. Limpei a poeira e, com uma nova esperança, comecei a ler o primeiro capítulo, sobre a oração.

Devo ter adormecido, pois sonhei que corria em direção a uma enorme rocha, sobre a qual estava escrita a palavra VERDADE. Quando acordei, estava com os braços levantados e lágrimas me escorriam pelo rosto. Pareceu-me estar vendo duas imagens da existência: uma era nebulosa, enquanto a outra era para mim a atmosfera do Espírito, clara e bela. Eu sabia que tinha uma escolha a fazer — ou acreditar na versão material e nebulosa de mim mesma, ou aceitar a espiritual, clara e bela.

Essas imagens de pensamento foram para mim uma promessa de paz e alegria e um modo de vida mais espiritual. Nos dias que se seguiram, eu optei por reconhecer a história da criação narrada no primeiro capítulo do Gênesis, em vez de acreditar na história do segundo capítulo, ou seja, escolhi o relato espiritual da criação em vez de o relato material. 

Foi então que notei que as bandagens haviam caído, revelando uma pele fresca e nova. Foi como se eu tivesse despertado de um sonho ruim e, por meio dos meus estudos posteriores da Ciência Cristã, compreendi que aquilo tudo fora, e sempre havia sido, a irrealidade parecendo real.

 Peguei a Bíblia e abri em Salmos 40:2: “Tirou-me de um poço de perdição, de um tremedal de lama; colocou-me os pés sobre uma rocha e me firmou os passos”. Eu não me sentia mais encurralada. E não tomei mais nenhum dos remédios. Esse foi um novo começo, e a cura foi permanente.

No domingo, quando o pai das crianças veio buscá-las, ele disse ao nosso filho que agora ele estava frequentando uma igreja filial da Ciência Cristã, perto da casa dele, e que esperava que todos nós pudéssemos frequentá-la juntos, como uma família. Acontece que, exatamente na noite em que ocorreu a minha cura, meu marido estava em seu apartamento, sentindo-se no fundo do poço. Ele nunca pensara em Deus, e certamente não era frequentador de igrejas. Mas, no mesmo desespero que eu sentira, ele havia pedido ajuda a Deus. As palavras que lhe vieram à mente, em resposta ao seu apelo, foram: “Ciência Cristã”. Ele então se lembrou de que eu havia frequentado uma igreja que praticava a cura, uma filial da Igreja de Cristo, Cientista.

Ele imediatamente pegou a lista telefônica e encontrou o endereço da igreja local. Muito embora já fossem 11 horas da noite, ele ligou para aquele número. Aconteceu que o secretário da igreja estava trabalhando até tarde e, ao ouvir a aflição de meu marido, deu o número de telefone de uma praticista da Ciência Cristã. Apesar da hora tardia, ele ligou para ela que, depois de ouvir sobre a situação, concordou em ajudá-lo por meio da oração. Ele só contou sobre a nossa separação, nunca mencionou o problema com o álcool, contra o qual ele também estava lutando. Quando desligou, foi logo terminar a bebida que ficara no copo, mas sentiu tamanha repulsa que quase vomitou. Esse foi o último trago que tomou.

Não é, pois, de surpreender, que todos nós tenhamos ido à igreja, no domingo seguinte. Ao entrar na sala de cultos, senti que finalmente estava em casa. Meu marido e eu nos reconciliamos, matriculamos as crianças na Escola Dominical e, pouco depois, filiei-me À Igreja Mãe e à igreja filial. A partir daí, tenho trabalhado ativamente com a família da minha igreja.

O que é que nosso Pai-Mãe celestial não pode fazer? Como a Bíblia diz: “Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra…” (2 Coríntios 9:8).

Sou muito grata a Deus, a Cristo Jesus, e a Mary Baker Eddy por ela descobrir e compartilhar a Ciência do Cristo. Essa Ciência não apenas cura, mas revela a verdade de que o homem é eternamente um com a Vida divina.

Elizabeth Jones
Gold Coast, Queensland, Austrália

More web articles

A Missão dO Arauto da Ciência Cristã 

“...anunciar a atividade e disponibilidade universal da Verdade...”

Mary Baker Eddy, The First Church of Christ, Scientist, and Miscellany [A Primeira Igreja de Cristo, Cientista, e Outros Textos], p. 353

Conheça melhor O Arauto da Ciência Cristã  e sua missão.